sexta-feira, 29 de maio de 2009

Fragmentos de prazer

Durante as palestras houve um italiano moreno de olhos verdes que a cativou, não sabia se era o seu tom de voz melodioso ou se era talvez o seu ar sensualmente feroz que a tinham atraído, mas a verdade é que depois do jantar tentou encontrar-lhe o rasto.
Procurou-o no bar onde o encontrou na mesa de uma das suas colegas, aproximou-se e sentou-se bem do lado dele, perna com perna, sentindo-lhe o aroma suave a âmbar e cedro, que sabia constavam do perfume que ele usava, igual ao do namorado que deixara esperando por si em Lisboa.
A mesa estava bastante animada e o convívio entre portugueses e italianos era sempre bastante aceso, bebia-se bastante vinho, cantava-se, batiam-se palmas e havia uma alegria latente, misturada com uma grande dose de pura sedução.
A nuvem de fumo que sobrevoava as suas cabeças estava a entontecê-la, bem como os já bebidos 4 copos de vinho Chianti que tanto gostava, mas que não estava habituada. Esse leve torpor que lhe percorria o corpo acentuava-se de cada vez que o seu corpo tocava levemente no dele.
Decidiu levantar-se um pouco, sair e apanhar ar para recuperar o fôlego que lhe começava a faltar, aquele homem de cada vez que a olhava fazia com que estremecesse, e embora estivessem quase colados na mesa, ainda não tinham trocado palavra.
Ao sair deparou-se com uma bica mesmo em frente das escadas, era um tipo de chafariz, imaginou que pelo tamanho da torneira de pressão servisse para encher garrafões, o calor colava-se-lhe ao corpo e aos cabelos desgrenhados, pensou que se metesse a cabeça debaixo de água pudesse retomar o controlo que lhe ia falhando e ao mesmo tempo enganar o calor que lhe escorria já pelo corpo.
Levantou a cabeça com a água a escorrer-lhe pela roupa, ficando assim ligeiramente transparente e com as curvas do corpo ainda jovem visíveis, apetecíveis, pelo menos foi assim que ele a viu, aquela que tinha colado o seu corpo ao dele durante toda a noite. Embora não tivessem trocado uma palavra ele sentia-lhe o aroma suave a jasmim e tangerina, os seus cabelos castanhos e longos quase se prendiam na sua barba de 3 dias que ele se esforçava por manter casual. Quando a viu levantar, um frio percorreu-lhe o corpo, como se parte de si mesmo lhe tivesse sido arrancada e sentiu um desejo enorme de a seguir, de lhe tocar as coxas que tinham sido só suas a noite inteira, de lhe sentir o sabor dos lábios. Agora que estavam frente a frente no inicio das escadas que levavam ao interior do bar, ambos se tinham agitado, loucos de tesão, um frenesim acudia-lhes os corpos.
Ele puxou-a a si agarrou-lhe a cabeça pela nuca, puxando suavemente os seus cabelos, o que a fez gemer de prazer, beijou-a com loucura enquanto lhe perscrutava o corpo com umas mãos ávidas, ela deixou-se em abandono nos braços dele, sem conseguir proferir palavra e com um desejo que lhe toldava o pensamento. Caminhou empurrada para a lateral do edifício onde os seus colegas se divertiam no interior, ele sentou-se no chão e puxou-a a si, lambendo-lhe o pescoço, enfiando-lhe a língua no ora ouvido ora na boca, meteu-lhe ambas as mãos dentro da roupa molhada e apertou-lhe os seios o que a ia deixando cada vez mais louca, mais ansiosa, e sem pensar soltou-lhe o cinto das calças, abriu-lhe a braguilha e tirou para fora o sexo duro que suplicava pelo conforto da boca dela, chupou-o com uma sensualidade lânguida, sem pressa, sem medos, sem razão. De repente agarra nela e vira-a de costas para si, ainda sentado do chão, com uma vontade louca de a penetrar, puxou-lhe as calças até meio das pernas desviou-lhe as cuecas para o lado e obrigou-a a sentar-se em cima dele, obrigou-a a cavalgar, primeiro apenas a cabeça do sexo, depois profundamente sentindo todo o seu interior apertando-lhe o membro de forma suave ao inicio e depois com uma rapidez que o enlouqueceu.
Ele não se conteve e teve um orgasmo, contorcendo-se e pulsando, empurrou o seu corpo para cima e encostou-a à parede com arrebatamento.
A ela parecia-lhe que a vida tinha parado naquele momento, esqueceu-se do namorado que esperava por ela em Lisboa, esqueceu-se dos colegas que se divertiam no interior da parede fria e a sua cabeça era uma espiral de vazio, um abismo onde se tinha deixado ir, uma vertigem de prazer a que se tinha entregue. Para ela não havia mais nada o mundo senão a mão dele dentro das suas cuecas, explorando-lhe o sexo, a língua dele enfiada no ouvido, os beijos lascivos no pescoço, o frio da parede, a mão, a língua, o sexo, o sexo, o sexo.
Encostada na parede perdeu o norte, sentiu o corpo estremecer, sentiu o sangue percorrer-lhe o corpo, sentiu as pernas desfalecerem, e sentia ainda a mão, a língua, o sexo e a parede fria, e quando a vertigem passou e ela abriu os olhos restava apenas o frio da parede, e a parede fria, e o frio.

16 comentários:

Who Am I disse...

Xiçaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa. Auuuuuuuuuuuuuuu
tenho dito. :))
Bom fim de semana

Cris... disse...

Brilhante!

Tu tens jeito, miúda...

PAULO LONTRO disse...

hhhiii vai... optimo texto!

Dudaninha disse...

Hhhhmmmm... ok...

Olha, a palavra que hoje me saiu na verificação foi: taliskin, que deve ser como quem diz "tá ali um bocadinho de pele"...

Bom texto! :)

Vitor disse...

Aroma de ambar e cedro?

Oh porra, a rapariga andou a executar o amorzinho com uma mobília?

Gata2000 disse...

WAI - Penico. Miauuuuuuuuu
Tenho dito. :))
Bom fim de semana

Gata2000 disse...

Cris -O meu livro de reclamações ainda está virgem, tadinho! :))

Gata2000 disse...

Paulo -Ai se vai, ou vai ...ou vai! Tks

Gata2000 disse...

Dudaninha - Pouca pele que eles nem tiraram a roupa.Obrigada.~:)

Gata2000 disse...

Vitor - Há quem o faça com cheiro a maresia, outros com aroma chá de Boldo do Chile, aqui a rapariga gostou de madeira e pedra.

Bernardo Lupi disse...

Um texto sublime. Adorei!


Bom fim de semana

Gata2000 disse...

Bernardo - Quase parecia um dos teus, hei?!

Beijinhos

K disse...

Fiquei arquejante e tal...aiiii que suspiro! Ai que vontade de tudo isso e tudo e tudo e....porra, sou muito gráfica!

Paula disse...

gostei...
:)

Gata2000 disse...

K - Gráfica é o teu nome do meio, por isso gostas de fotografia.

Gata2000 disse...

Paula: Eu também