sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Abismo de Sensações


Aqui escrevi em tom de desafio, com as palavras da caixa.

Este está a ser um Inverno difícil, não sei se é da chuva que me fustiga e me impede de fugir, se é desta paixão que me consome.
Tento não lembrar-me das tuas mãos nas minhas coxas, ou dos risos que partilhámos no chão do teu quarto, tento esquecer os teus traços, porque se te conseguir esfumar espero não te desejar tanto.
É uma luta que travo comigo própria mas que não consigo vencer, tenho em mim o sabor da tua boca e ferve-me o sangue sempre que te sinto aproximar, não te resisto, embora saiba que contigo por perto não tenho vontade própria.
Consegues com um gesto transformar a minha prosa estudada em murmúrios incoerentes, perdendo a noção de quem sou, apenas sabendo que o que quero és tu, e que o prazer está à distância de um toque.
Quando me fundo em ti, sinto torrentes de sentimentos que me esmagam, mas tu és como um íman que me atrai para o abismo.
Disseste-me um dia que me tinhas vencido, que tinhas conseguido derrubar um por um os tijolos que erguia em muro à volta do meu coração, acho que me amansaste, que me tornas-te dócil, só para me poderes manipular a teu belo prazer, creio que não sou mais do que matéria de estudo, ver até onde podes ir antes de me enlouquecer.
Creio que a frieza é uma preeminência tua, não sentes e por isso não sofres, mas vais deixando cravada em mim a tua marca, e enquanto isso eu vou-me transformando em fragmentos do que era.

2 comentários:

Finúrias disse...

Obrigado Gata por este Inverno :)

Cem disse...

como já tive oportunidade de dizer

intenso intenso
como tu!

Boa folia!