quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Amor de Verão em retrospectiva



Hoje ouvi esta música e recordei…

No Verão de 1992, em Tavira conheci um norueguês, que para mim até então era o homem mais bonito que já tinha visto.
Chamava-se Thomas, tinha olhos azul profundo, cabelo louro e 1.90 m de um corpo perfeito.
Durante um ano trocámos cartas de amor, telefonemas à distância, um verdadeiro grande amor de verão, até que ele conheceu outra pessoa no trabalho, e eu me entreguei a procurar noutros aquilo que nunca tinha encontrado nele.
Passados 10 anos fui a Trondheim, visitar um amigo comum, com quem estive de casamento marcado e de bilhete de avião na mão para me mudar para um apartamento comprado segundo as minhas especificações: janelas pela sala com vista para o fiorde, uma sala grande para poder ter um cão e 2 quarto para que a criança pudesse não demorar.
A certa altura passámos numa rua em que o meu amigo me disse “É a tua chance de voltares a estar com o Thomas, ele mora aqui.”
Nessa altura percebi que há momentos que não voltam a acontecer, não voltei a cruzar-me com o Thomas, nem a escrever-lhe cartas de amor ou outras que ainda tentámos durante algum tempo, mas é uma altura da minha vida que recordo com carinho, pois tal era a inocência da altura.
Esta musica esteve no meu quotidiano durante bastante tempo - enviada pelo Thomas numa cassete gravada por ele com músicas que segundo ele se adequavam à nossa “relação” - para me lembrar que “patience comes to those who wait”.

6 comentários:

Bernardo Lupi disse...

Excelente texto! Recordar é viver...

Gata2000 disse...

Obrigado. Quantas vezes não são as nossas memórias que nos acompanham quando nos sentimos sós.
Gostei do teu blog, desinibido sem roçar o ordinário, que é coisa difícil de fazer.Miaus e Bom fim de Semana

TM disse...

Concordo quando dizes que cada coisa tem o seu momento... Porque algo que fez todo o sentido num determinado momento do passado pode agora sem completamente incoerente...

Gata2000 disse...

TM-Há uma música, que eu não sei de quem, que diz que não deves voltar à casa onde foste feliz, guarda a lembrança, porque tenter viver tudo de novo pode estragar o que houve de bom.

Finúrias disse...

Esta parece uma das minhas memórias !!! Se a tivesse visto naquela última vez, creio que tudo teria outro rumo, melhor ou pior não sei, mas recordo sempre como...melhor! (é que dói menos)

TM disse...

Também não conheço a música... nem faço ideia quem a escreveu... mas parece-me que foi uma pessoa sensata... :)