quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Será que a poesia imita a vida, ou o contrário?


Ontem embrulhei-te em mim

Entrámos juntos na madrugada, tu e eu.

O teu cheiro bailava-me nas narinas

Mel e jasmim, perfume de inocência

O teu calor queimando-me a pele.

Abandonado em mim, dormias.

E eu chorava, por te ter tão perto

Tão completamente meu

Vulneravel em toda a tua força

Senti que por ti, seria capaz de lutar contra o mundo

E vencer a batalha.

2 comentários:

Vitor disse...

E nunca mais vistas o puto com isto OK!?

Gata2000 disse...

Get it! Para a próxima ele estará vestido de ... Casanova?